Articulação Semiárido Brasileiro que ajuda mais de 350 mil paraibanos recebe prêmio internacional


O programa de cisternas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) recebeu prêmio Política Para o Futuro como segunda melhor iniciativa para combater desertificação no mundo.

Antes a gente plantava só um canteiro. Depois da cisterna, nossa vida mudou, a gente planta de tudo”. Fátima Fernandes de Barros mora na zona rural de Massaranduba, no Agreste da Paraíba, desde que nasceu, mas somente a partir de 2003 passou a ter água suficiente para beber e plantar o ano todo. Foi a partir dos projetos de cisternas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) que Fátima e mais de 350 mil pessoas na Paraíba saíram do risco hídrico.

Os Programas 1 Milhão de Cisternas (P1MC) e Uma terra e Duas Águas (P1+2) coordenados pela ASA e financiados pelo governo federal receberam uma premiação internacional na segunda-feira (11). O programa de cisternas da ASA foi reconhecido pelo prêmio Política para o Futuro (Future Policy Award) como segunda melhor iniciativa do mundo para se combater a desertificação do solo e suas graves consequências sociais.

De acordo com Glória Batista, da ASA Paraíba e da Coordenação Nacional da ASA, a iniciativa tem ajudado a região do semiárido paraibano, em especial a microrregião do Seridó, a mais afetada pela desertificação segundo estudos. Ela contou que a iniciativa permitiu que as pessoas vivessem com água em regiões que não chove há cinco anos.

“O reconhecimento é uma prova de que é possível a política de convivência no Semiárido. Os programas têm deixado o Semiárido paraibano, sobretudo, mais vivo. Estamos fazendo com que as pessoas possam viver onde elas nasceram”, comemorou a coordenadora da ASA na Paraíba.

Segundo dados repassados pela ASA, foram construídas ao longo do funcionamento dos programas P1MC e P1+2 mais de 77,9 mil cisternas de água para consumo humano e 9,5 mil cisternas de água de produção, destinada para consumo animal e produção agrícola. As cisternas construídas com insumos do governo federal beneficiam 350.618 paraibanos, ainda conforme dados da ASA.

No caso da agricultora Fátima Fernandes de Barros, o sítio Canta Galo, administrado por ela foi contemplado tanto com a cisterna para consumo, quanto para criação de animais e produção de alimentos. Fátima relata que com a água das cisternas consegue manter a cultura de vários tipos de folhas e ainda criar galinhas e porcos.


“A gente produz coentro, couve, alface. Não é quantia grande, mas a gente produz o ano todo. As cisternas mudaram a nossa vida. Nasci na zona rural e gosto de viver no sítio. Só vou na cidade para comprar alguma coisa, mas minha vida é no sítio. E por isso a cisterna ajudou, mudou nosso destino”, completou a agricultora.

A história da vida da agricultora Fátima Fernandes de Barros é a síntese do programa de cisternas da ASA, como exemplificou a coordenadora da iniciativa. “Vivemos uma estiagem, talvez a pior dos últimos 80 anos, mas com as cisternas, as pessoas não se veem obrigadas a deixar o lugar onde nasceram”, decretou Glória Batista.





G1 PB


Articulação Semiárido Brasileiro que ajuda mais de 350 mil paraibanos recebe prêmio internacional Articulação Semiárido Brasileiro que ajuda mais de 350 mil paraibanos recebe prêmio internacional Reviewed by Guedes Erivaldo on 03:29 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.