Sítio arqueológico em Junco do Seridó está ameaçado por despejo de esgoto


Uma ação judicial ajuizada pelo Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB) quer proibir que o município de Junco do Seridó, a 240 quilômetros de João Pessoa, despeje esgotos residenciais no riacho do Chorão que deságua e vem degradando e colocando em risco o sítio arqueológico Itacoatiaras, que fica dentro do município.

Conforme a ação, o problema da degradação do sítio Itacoatiaras é antiga preocupação de estudiosos e moradores da região, já que o local vem sendo poluído há pelo menos dez anos.

Em 2018, técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) constataram sério risco de continuidade dos danos, especialmente pelo esgotamento de resíduos da cidade de Junco do Seridó para ao riacho do Chorão e a consequente submersão de parte das pinturas rupestres que existem no sítio.

Também em 2018, a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) documentou o lançamento de resíduos com destino ao riacho do Chorão. Na ocasião, a Sudema deu 30 dias para o município de Junco do Seridó adotar medidas para sanar o lançamento dos afluentes líquidos no riacho.

O órgão ambiental ainda constatou a existência de um fossão sanitário desativado e sem manutenção há vários anos, que transbordaria e acumularia afluentes no sítio arqueológico.
O MPF também pede que o Município apresente projeto sustentável de tratamento de resíduos sólidos e líquidos e evite, permanentemente, o despejo de esgotos no riacho do Chorão.

Além disso, o Município deverá apresentar à Sudema um projeto para recuperação da área degradada, com cronograma de recuperação a ser definido pela Sudema, e a completa execução do cronograma custeada pela própria prefeitura. O MPF também pede a fixação de multa pessoal, R$ 1 mil por dia de atraso, ao prefeito de Junco do Seridó, Kleber Medeiros (PSB), por eventual descumprimento da obrigação.

Sítio Itacoatiaras
O local é um dos cinco sítios arqueológicos com gravuras rupestres no Vale do Sabugi paraibano. Os outros estão localizados em São Mamede (Sítio Tapera e Sítio Tapuio) e São José do Sabugi (Sítio Pedra Lavrada e Sítio Tapuio). Na avaliação técnica do Iphan, esse tipo de patrimônio arqueológico possui caráter finito e não pode ser recuperado em caso de degradação ou destruição.


Portal Correio
Sítio arqueológico em Junco do Seridó está ameaçado por despejo de esgoto Sítio arqueológico em Junco do Seridó  está ameaçado por despejo de esgoto Reviewed by ´Blog do Erivaldo Guedes on 01:40 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.